Defesa Civil de Nova Friburgo se reúne com representantes de outros sete órgãos nesta quarta, 10

Publicado em 10 janeiro de 2018
 
(http://twitter NULL.com/share)

Na manhã desta quarta-feira, 10, a Defesa Civil de Nova Friburgo realizou um encontro com representantes do órgão de outros sete municípios vizinhos: Trajano de Moraes, Cordeiro, Carmo, Cachoeiras de Macacu, Sumidouro, Sapucaia e Teresópolis. O encontro aconteceu na sede Defesa Civil e a pedido do secretário da pasta, João Paulo Mori, foi conduzido pelo assessor da Superintendência de Defesa Civil do RJ, Robson Luís.

Encontro contou com a participação da Superintendência de Estado de Defesa Civil

Encontro contou com a participação da Superintendência de Estado de Defesa Civil

A iniciativa municipal teve como intuito discutir as formas de utilização do Cartão de Pagamento da Defesa Civil – CPDC, uma ferramenta do Governo Federal utilizada pelo mesmo para o envio de recursos, especialmente em casos de desastres, que são chamados de recursos de resposta. Foram abordadas as seguintes formas para a utilização do cartão: como o município deve proceder para requerê-lo, para a compra de quais itens ele pode ser utilizado e também a comprovação de gastos que deve ser feita para ta feito.

Segundo o secretário de Defesa Civil de Nova Friburgo, Cel. João Paulo Mori, o município já adquiriu o cartão desde a época da tragédia que afetou a Região Serrana, em Janeiro de 2011, mas a validade dele expirou. E como havia a necessidade de atualizá-lo e indicar servidores efetivos para ficar responsável por ele, considerou válido promover um encontro de forma que os municípios vizinhos também fossem beneficiados com as explicações.

.

.

“É fundamental nos antecipar e fazer todo o necessário para a correta utilização desta ferramenta para que, caso aconteça uma nova tragédia, não percamos tempo com questões burocráticas. Sem esse cartão, o município não estará apto para o recebimento dos recursos federais para ações de socorro, assistência às vítimas e restabelecimento de serviços essenciais”, disse.